CNE decide afastar MMVs envolvidos em ilícitos eleitorais

Os membros das mesas de votação que se envolveram em ilícitos nas eleições de 11 de Outubro vão ser afastados do novo escrutínio marcado para Domingo.

CNE decide afastar MMVs envolvidos em ilícitos eleitorais

A decisao foi anunciada hoje, pelo STAE em conferência de imprensa   agendada para dar o ponto de sutuação da preparação do processo.

 


"Neste momento estamos a fazer o recrutamento e não inclui aqueles Membros das Mesas de Assembleias de Voto (MMVS) que estiveram diretamente envolvidos nos ilícitos que aconteceram no dia da votação (...) Aqueles que tiverem sido envolvidos nessas questões certamente que vão ser afastados, não vão estar envolvidos neste [novo] processo", disse Paulo Cuinica, porta-voz da Comissão Nacional de Eleições (CNE), durante uma conferência de imprensa em Maputo.

 

 

Segundo o porta-voz, decorre neste momento um processo para se "apurar responsabilidades" sobre os ilícitos ocorridos no dia da votação das sextas eleições autárquicas, um escrutínio fortemente contestado pela oposição e sociedade civil, que denunciaram alegada "megafraude".

 

 

No total, a CNE prevê recrutar 525 membros de assembleias de voto, 300 dos quais escolhidos após um concurso público e os restantes 225 indicados por partidos políticos.

 

A repetição vai custar 41 milhões de meticais, disse o responsável, referindo que o novo escrutínio vai decorrer em 75 mesas de voto, das quais 18 de Nacala Porto (província de Nampula), três de Milange e 13 de Gurúè (Zambézia) e na totalidade das 41 mesas de Marromeu (Sofala).

 

 

"Está em curso uma campanha de educação cívica visando sensibilizar os eleitores inscritos nas mesas em questão para que no dia 10 possam se apresentar para exercer o seu direito de voto, dentro do horário que vai das 07:00 às 18:00", disse o porta-voz da CNE.

 

TORRE