Ossufo Momade, Não!

O porta-voz da Renamo, o deputado José Manteigas, disse na passada quarta-feira, 3 de Janeiro, que o actual presidente da Renamo, Ossufo Momade, é o candidato deste partido para as eleições presidenciais de Outubro próximo.

Ossufo Momade, Não!

A informação colheu muita gente de surpresa, incluindo a nós, essencialmente por duas razões. A primeira é que o mandato de Ossufo Momade deve terminar este mês, tendo em conta que foi eleito no Congresso de 2018 (o VI) que teve lugar em 15 de Janeiro. 

 

Nesse sentido, esperava-se que a Renamo anunciasse o VII Congresso que seria o órgão ideal para escolher o novo líder da Renamo que, pela história, é também candidato presidencial. 

 

A segunda razão é que em cinco anos na liderança da Renamo, Ossufo Momade não tem obra que possa apresentar que leve a Renamo a confia-lo como candidato a Presidente da República. É sobre este ponto que cingir-se-á o nosso editorial. 

 

Ossufo Momade é um candidato fraco. Geriu mal o processo de Desarmamento, Desmobilização e Reiteração da força residual da Renamo, no quadro do Acordo de Paz e Reconciliação Nacional de Maputo.

 

Os antigos guerrilheiros da Renamo, com destaque para os generais Timosse Maquinze e Josefo de Sousa, acusam Ossufo Momade de ter abandonado a linha de negociação do falecido presidente da Renamo, Afonso Dhlakama. Os ex-guerrilheiros da Renamo andam descontentes com o DDR. Não recebem as pensões. A única coisa que Ossufo Momade faz é “chorar”. Ossufo dividiu a Renamo. 

 

Quando ascendeu ao poder afastou dos lugares de decisão todas as pessoas próximas a Afonso Dhlakama. Nas últimas eleições, a Renamo caiu de 89 deputados para 60 deputados. Portanto, perdeu 29 assentos. Nas últimas eleições autárquicas, a Renamo ficou com apenas quatro autarquias. 

 

É verdade que houve uma fraude monumental, sem paralelo na história da nossa jovem democracia. A Renamo devia ter ficado com mais municípios. Mas mesmo onde a Renamo ganhou e foi roubada, o desempenho não parece ter sido resultado de alguma estratégia pensada pela direcção da Renamo. 

 

É o capital político dos candidatos a edis, aliado ao facto de o povo estar cansado de ser mal dirigido pela Frelimo. No contexto das eleições autárquicas, dois edis de municípios dirigidos pela Renamo estão a enfrentar processos judiciais alegadamente por incitação à desobediência por terem liderado as manifestações de protesto contra fraude convocadas pela Renamo. 

 

Trata-se de Raul Novinte e Paulo Vahanle, de Nacala Porto em Nampula, respectivamente. Ossufo Momade não disse uma única palavra sobre o assunto. A residência do cabeça-de-lista da Renamo para a cidade de Maputo, Venâncio Mondlane, esteve recentemente cercada pela Polícia. 

 

Será que Ossufo Momade não vê que tudo isto é obra do regime visando enfraquecer a Renamo? Porquê Ossufo Momade continua calado? Como é que Manteigas vem dizer que “Ossufo Momade é o nosso candidato”? Que é “o presidente que está a trazer grandes sucessos no partido”? A que sucessos se refere? Ossufo é o dirigente da oposição mais distraído que alguma vez o país teve, tendo chegado ao ponto de chamar Filipe Nyusi de “nosso Presidente”. 

 

Todos podem chamar Nyusi de nosso presidente, menos o líder da oposição. É um facto que quando o Presidente da República é eleito passa a ser Presidente de todos, mesmo daqueles que não votaram nele. Mas não fica bem o líder da oposição dizer o que Ossufo Momade disse. Recentemente, durante um comício no âmbito da contestação dos resultados eleitorais, Ossufo Momade gritou “viva os ladrões de voto”. 

 

Esses episódios, quando aliados ao facto de Momade ser próximo a Nyusi, levantam suspeitas de que o presidente da Renamo seja controlado pela Frelimo. A Frelimo gosta de Ossufo Momade. Sempre que o presidente da Renamo enfrenta contestação, pessoas ligadas a Frelimo saem em defesa de Momade. Não será porque perceberam que Ossufo é um dirigente fraco e um bom adversário político que não vai dar trabalho a Frelimo. 

 

Há quem diga que Ossufo como candidato a Frelimo pode dispensar a fraude, porque Ossufo é a própria fraude. Alguém deve estar a perguntar o que nós temos a ver com o candidato da Renamo. Temos tudo. É que o país de todos os moçambicanos está a ser mal governado pela Frelimo e o povo precisa de uma alternativa a Frelimo, que até é saudável para a democracia. 

 

E nós somos amantes da democracia. A Renamo mostra-se como essa alternativa, mas com Ossufo impossível ser alternativa. Mais: quando alguém se candidata a PR, cria automaticamente um vínculo com o povo que pretende governar. 

 

Daí a preocupação. Momade quando diz que quer governar, significa que quer administrar o bem comum. Sucede que Ossufo não inspira confiança. Que garantias dá de que vai dirigir bem o país se não consegue cuidar de Novinte e Vahanle? Que garantias dá de que vai unir os moçambicanos se não consegue unir a Renamo. 

 

Fora dos discursos escritos, Momade não consegue construir um raciocínio lógico. É certo que o Ossufo Momade chegou ao topo da Renamo já condenado ao fracasso. Primeiro, porque não seria fácil sair da sombra do carismático líder, falecido Afonso Dlhakama, que detinha aceitação incomum e popularidade invejável, características de que Ossufo Momade é órfão. 

 

Segundo, o método por si utilizado para ascender ao poder, ‘dividindo para reinar’ estratégia que fragmentou, não apenas o pensamento, mas também a base de apoio interno, o que tornou a Renamo mais vulnerável a influência externa, com todo o risco de manipulação que isso acarretou, como se viu com o surgimento da Junta Militar, movimento interno que confrontou directamente a sua liderança. 

 

Mas, com tudo isso, a quem ainda dava o benefício da dúvida ao Ossufo Momade, ate que um dia ficou claro que as suas reais intenções como presidente do maior partido da oposição, não tem nada a ver em conduzir o partido a glória, mas sim, nada mais, nada menos, do que manter o tacho. 

 

Isto obriga-nos a concordarmos com aqueles que dizem que Ossufo Momade  foi comprado, usando como prova flagrante o facto de ter aceite o estatuto de líder do segundo partido mais votado, e a partir daí, usufruir de todas as benesses que dai advém, denigrindo  a honra do finado Afonso Dhlakama que sempre recusou tais mordomias, por entender tratar-se de compra de consciência. Ossufo Momade ao aceitar essa condição, mostrou claramente que pensa com barriga. 

 

Pelo todo exposto, a Renamo deve sentar e procurar um candidato sério, porque “Ossufo Momade, Não”.

TORRE