Em Namialo: Algodão, Gergelim e “Dragon Fruit” com pesquisa animadora!

Além do ouro branco e do gergelim, “Dragon fruit”, uma fruta rara trazida das Filipinas, já se mostra adaptativa à agro-ecologia da região Nordeste de Moçambique, estando em testagem considerada animadora no Centro de Formação de Fruteiras (CFF) do IIAM em Namialo.

Em Namialo:  Algodão, Gergelim e “Dragon Fruit” com pesquisa animadora!
Em Namialo:  Algodão, Gergelim e “Dragon Fruit” com pesquisa animadora!
Em Namialo:  Algodão, Gergelim e “Dragon Fruit” com pesquisa animadora!

A observação foi-nos avançada ao princípio da tarde desta quarta-feira (17), pela Directora Geral do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM), Prof. Doutora Zélia Menete, que iniciou mais uma visita de trabalho ao Centro Zonal Nordeste (CZNd), tendo feito a sua primeira escala no Centro de Investigação e Multiplicação de Sementes de Algodão de Namialo (CIMSAN), distrito de Meconta, província de Nampula. Ali, teve a oportunidade de percorrer um dos campos experimentais de melhoramento dessa importante cultura de rendimento, o Algodão, também apelidado por ouro branco, tendo constatado que os resultados preliminares são animadores.

 

Ainda naquele distrito do corredor de Nacala, Zélia Menete apreciou com agrado um campo experimental de adaptação de “Dragon fruit” ou “Fruta-do-Dragão”, que foi trazida das Filipinas e já se mostra ter adaptação às condições agro-ecológicas de Namialo e da região Nordeste de Moçambique. Com potencial de mercado a nível das cidades moçambicanas, a “Dragon fruit” está a ser testada no Centro de Formação de Fruteiras – CFF, uma unidade experimental e de transferência de tecnologias do IIAM, adstrita ao seu Centro Zonal Nordeste (CZNd). No Centro de Formação de Fruteiras de Namialo, a líder da investigação agrária pública moçambicana testemunhou igualmente alguns momentos do processo de montagem de um ensaio de gergelim que visa avaliar a eficiência dos diferentes organismos num sistema de agricultura orgânica sustentável.

 

Num despacho a que tivemos acesso a Eng. Suzie Aline, que acompanha a Directora Geral do IIAM anota que, postas as visitas de campo, Zélia Menete usou da oportunidade para um encontro de diálogo e sincronização com os técnicos em geral por forma a avaliar o nível de andamento das actividades do Centro de Formação de Fruteiras, oferecendo um alento a 2024 em franco arranque orientado aos resultados na nobre missão de produção de conhecimento e soluções tecnológicas para o desenvolvimento do agro-negócio e da segurança alimentar e nutricional. A fonte adianta que, entremeando com expressões motivacionais e de fortalecimento do trabalho em equipas, a Directora Geral do IIAM avançou recomendações que têm a ver com foco no processamento das frutas para diversificação do consumo e garantia de melhoria nutricional das famílias locais; e trabalho com as comunidades no sentido de mostrá-las diferentes formas de agro-processamento dos produtos das suas próprias machambas, capacitando-as para o seu auto-aproveitamento.