BAD concede empréstimo de 40 milhões de dólares para a aquisição de meios circulantes para os CFM

O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) concedeu um empréstimo de 40 milhões de dólares a Moçambique para a aquisição de material circulante para a linha férrea de Ressano Garcia, no sul do país.

BAD concede empréstimo de 40 milhões de dólares para a aquisição de meios circulantes para os CFM

O objectivo do projecto é permitir a empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM), financiar a compra de material circulante (locomotivas, vagões e vagões cisterna) para o seu principal corredor, a linha ferroviária de Ressano Garcia, refere BAD, em comunicado de imprensa.

 

Esta linha gera mais de 90% do volume de tráfego ferroviário e representa 70% do volume global de transporte ferroviário dos CFM.

 

O investimento incluiu a aquisição de 10 locomotivas diesel de 3000/3300 cavalos, 300 vagões e 120 vagões cisterna.

 

Os fundos cobrirão igualmente um programa de manutenção por um período de três anos para as locomotivas adquiridas e a formação do pessoal de manutenção dos CFM.

 

“O projecto também aumentará significativamente as receitas em divisas que poderão aumentar de 225 milhões de dólares em 2022 para 360 milhões de dólares em 2036. Durante este período, espera-se que o projecto traga ao governo um total acumulado de mil milhões de dólares em receitas fiscais.

 

Espera-se ainda que o projecto venha a reforçar o comércio intra-africano e a integração regional, aumentando a capacidade e o volume de mercadorias transportadas dos países vizinhos pela rota mais eficiente, com Moçambique a servir os países vizinhos da África do Sul, Eswatini, Malawi, Zimbabwe e Zâmbia, proporcionando-lhes um porto para exportação e importação de suas mercadorias.

 

Espera-se que o projecto melhore o acesso das famílias às infra-estruturas através de serviços de transporte ferroviário. Reduzirá potencialmente o congestionamento e os tempos de viagem em dois minutos por quilómetro e reduzirá o número de mortes na estrada, transferindo o tráfego para os CFM.