NATO investe 1,2 mil milhões de dólares em munições de artilharia para o reforço a Ukrania

O secretário-geral da NATO anunciou hoje a assinatura de contratos no valor de 1,2 mil milhões de dólares para aquisição de munições de artilharia para reabastecer os países da Aliança Atlântica e facilitar a continuidade do apoio à Ucrânia.

NATO investe 1,2 mil milhões de dólares em munições de artilharia para o reforço a Ukrania

"Assinámos hoje contratos no valor de 1,2 mil milhões de dólares para comprar centenas de milhares de munições de artilharia de 155 milímetros", disse Jens Stoltenberg, em conferência de imprensa no quartel-general da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), em Bruxelas.

 

O secretário-geral acrescentou que a NATO "está investida na aquisição conjunta" de munições de grande calibre, uma vez que os 'stocks' dos países do bloco político-militar estão depauperados pelo apoio à Ucrânia nos últimos dois anos.

 

Na mesma semana em que começa o "Steadfast Defender 2024", o maior exercício da NATO "em décadas", que vai simular no território europeu um conflito com a Federação Russa, Jens Stoltenberg considerou que está em curso "uma batalha pelas munições": "É importante que os aliados aumentem a sua capacidade".

 

O secretário-geral da NATO recordou também os contratos já estabelecidos no valor de quatro mil milhões de dólares para aquisição de armamento, por exemplo, para carros de combate, e ainda 5,5 mil milhões de euros para comprar mísseis de interceção Patriot.

 

A previsão de entrega do armamento é de 24 a 36 meses.

A NATO não pode comprar por si armamento, mas estes contratos possibilitam a aquisição conjunta por parte dos países que integram a organização.

 

LUSA/TORRE