O Futuro iIncerto do Gás em Moçambique: ExxonMobil ainda sem data para investimento na Área 4

Arne Gibbs, Director-geral da ExxonMobil em Moçambique, responsável pelo projecto Rovuma LNG na área 4 da bacia do Rovuma, em Cabo Delgado, declarou que ainda não existe uma data estabelecida para a tomada da decisão final de investimento. Este passo é crucial para o avanço do projecto de exploração de gás natural liquefeito.

O Futuro iIncerto do Gás em Moçambique: ExxonMobil ainda sem data para investimento na Área 4

Apesar da falta de uma data específica, Gibbs reconheceu melhorias significativas na segurança na região destinada à implementação do projecto, comparativamente aos anos anteriores. 

 

Estas observações foram partilhadas após um encontro em Pemba, onde o director da ExxonMobil se reuniu com o Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, para discutir o andamento das operações relativas ao Rovuma LNG.

 

“Reconheço o esforço notável das Forças de Defesa e Segurança em Cabo Delgado. A situação de segurança atual é mais favorável do que nos anos anteriores”, afirmou Gibbs.

 

Ainda assim, Gibbs admite que persistem desafios relacionados com a segurança, embora o trabalho conjunto das Forças de Defesa e Segurança moçambicanas com as forças ruandesas tenha proporcionado avanços significativos na estabilização da região.

 

A ExxonMobil, através do seu projecto Rovuma LNG, manteve as suas operações em Cabo Delgado, desenvolvendo projectos em colaboração estreita com a TotalEnergies, que havia suspendido as suas atividades devido a questões de segurança.

 

Gibbs destacou também o compromisso da ExxonMobil em trabalhar com o governo moçambicano para maximizar o aproveitamento do conteúdo local pelas empresas nacionais, antecipando o retorno das operações da TotalEnergies e a eventual decisão final sobre a Área 4.

 

O sucesso destes projectos é vital para a economia moçambicana, com a Área 1 visando uma produção de 13,12 milhões de toneladas por ano (mtpa) e o plano em terra para a Área 4 apontando para 15 mtpa. Juntos, estes projectos poderiam alcançar uma capacidade produtiva de aproximadamente 31,5 mtpa.

 

Segundo a Deloitte, as reservas de gás natural de Moçambique representam um potencial de receitas na ordem dos 100 mil milhões de dólares, sublinhando o papel crucial destes investimentos para o futuro económico do país.