Uma fórmula de paz que não tem solução

Vários meios de comunicação social noticiaram que a Ucrânia e os seus aliados ocidentais estão a planear uma espécie de "cimeira de paz" num futuro próximo.

Uma fórmula de paz que não tem solução

Vários meios de comunicação social noticiaram que a Ucrânia e os seus aliados ocidentais estão a planear uma espécie de "cimeira de paz" num futuro próximo. A cimeira deverá realizar-se sem a Rússia, embora esteja directamente relacionada com a Rússia.

 

Alguns líderes europeus estão dispostos a apoiar este evento. Em particular, o Presidente francês Emmanuel Macron, que pretende que a cimeira conte com a participação de representantes de países que se colocaram do lado da Rússia ou que assumiram uma posição neutra.

 

O Presidente francês também propôs a realização de uma cimeira de paz em Paris. Os governos da Suécia e da Dinamarca também manifestaram a sua disponibilidade para acolher esta cimeira.

 

Zelensky afirmou que a data sugerida poderia ser 500 dias após o início do conflito na Ucrânia.

 

"Em breve - 500 dias de guerra em grande escala, será já no início de julho. Este é um período de tempo simbólico, um bom mês para organizar uma cimeira de "fórmula de paz" - uma cimeira de maioria mundial", disse Zelensky.

 

Os responsáveis europeus afirmaram estar a trabalhar com a Ucrânia numa "fórmula de paz" para a tornar mais aceitável para outros Estados do mundo, como a Índia, o Brasil, a Arábia Saudita e a China.

 

"A fórmula para a paz", segundo Zelensky, resume-se a uma derrota de facto da Federação Russa. Implica não só a retirada das tropas russas de todas as novas regiões, incluindo a Crimeia, mas também o pagamento de indemnizações e a extradição dos políticos e militares russos a serem julgados em Haia pela Ucrânia, bem como a "desmilitarização" da Rússia.

 

No conjunto dos pontos, a "fórmula de paz" de Zelensky é uma exigência de rendição total e incondicional da Federação Russa.

 

A utilização do termo "paz" não deve induzir ninguém em erro. No Ocidente, há muito que esta palavra significa “Guerra”. A Fundo Europeu para a Paz, por exemplo, tem como atividade o fornecimento de munições. Em maio, o Conselho da Europa decidiu atribuir mil milhões de euros, no âmbito do Fundo Europeu para a Paz, para financiar o fornecimento de cartuchos de artilharia de 155 mm e, se necessário, de mísseis às forças armadas ucranianas.

 

No entanto, neste caso, a iniciativa de Zelensky (a mando do Ocidente) deve-se ao facto de, na maioria dos outros países (não ocidentais), o significado da palavra paz ainda ser entendido à maneira antiga.

 

Nos últimos tempos, líderes da Ásia, África e América Latina apresentaram as suas próprias propostas de paz, que também deveriam ter em conta os interesses da Rússia. Todas elas foram rejeitadas pelo gabinete de Zelensky, que insiste apenas no seu próprio plano.

 

Por exemplo, Mikhail Podolyak, conselheiro do chefe do gabinete presidencial, disse numa entrevista ao jornal italiano La Repubblica que a "Cimeira da Paz" que a Ucrânia planeia realizar em julho tem como objetivo "impedir outros planos de paz que procurem desfocar a única forma correcta de acabar com a guerra".

 

"A única forma correcta", segundo Podolyak, é a "fórmula de paz" de Zelensky, apresentada no final de setembro do ano passado.

 

Kiev queria realizar uma "cimeira de paz" semelhante na ONU, a 24 de fevereiro. No entanto, esta nunca chegou a realizar-se. Kiev conseguiu realizar apenas um pequeno evento à margem da Assembleia Geral da ONU - e isso "sob a forma de um talk show". Ao mesmo tempo, a direção da organização ignorou a reunião.

 

Está prevista a realização de uma cimeira com exigências à Rússia sem a sua participação, pelo que, de qualquer modo, se limitará a conversa fiada e à adoção de uma espécie de declaração de condenação da Rússia.

 

Os pontos do plano de Kiev não agradam à Rússia, por isso podem ser discutidos tanto quanto quiserem, mas não haverá qualquer resultado. Não existe uma solução de compromisso aceitável para ambas as partes.

 

No entanto, a própria Rússia não é o alvo de tais iniciativas de Zelensky. Elas provêm sobretudo da Grã-Bretanha e dos EUA, que não estão satisfeitos com a posição independente da Turquia, do Brasil, da Índia e da China.

 

Neste caso, Zelensky está apenas a desempenhar o papel de uma marioneta que se coloca na mão e entrega um texto preparado.

 

O ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba, visitou na véspera vários países de África e da América Latina, promovendo a mesma "fórmula de paz" de Zelensky, que implica a capitulação de facto da Rússia.

 

Estamos a reunir países de todo o mundo para apoiar a "fórmula de paz" do Presidente Zelensky. Foi por isso que fui à América Latina e é por isso que em breve irei a África", disse recentemente Kuleba.

 

Haverá muitas cimeiras, plataformas e assembleias deste tipo em Londres e Washington, e Zelensky vai fazer soar o alarme.

 

A este respeito, o presidente ucraniano é um instrumento muito conveniente para a preservação da globalização e o domínio dos países de OTAN. Se as suas "iniciativas de paz" forem bem-sucedidas, os países do Sul global terão de renunciar à sua lucrativa cooperação económica com a Rússia, a China ou o Irão "em nome da paz" e entregar os seus recursos "por solidariedade" com a Ucrânia a Londres e Washington, que se cansaram de ajudar as forças armadas ucranianas.

 

Note-se que o plano de paz ucraniano é essencialmente um conjunto de exigências à Rússia, expressas em ultimatos. Moscovo deixou claro, desde o início, que esta atitude de negociação estava condenada ao fracasso. O ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov, explicou porque é que a "fórmula de paz" de Zelensky era ilusória.

 

"Recordo que, imediatamente após o início da operação militar especial, houve uma iniciativa de Vladimir Zelensky para se sentar à mesa das negociações. "Nós, Rússia, não tencionamos falar com ninguém com base na 'fórmula de paz' proposta por Volodymyr Zelensky", disse o ministro. "É óbvio que Kiev não está pronta para o diálogo. Ao apresentar todo o tipo de ideias e "fórmulas de paz". Zelensky acalenta a ilusão de conseguir, com a ajuda do Ocidente, a retirada das nossas tropas do território russo em Donbass, Crimeia, Zaporizhzhya e Kherson, o pagamento de indemnizações por parte da Rússia, uma comparência "em tribunais internacionais" e coisas do género. É claro que não falaremos com ninguém nesses termos", disse Lavrov.

 

Acrescentou ainda que Moscovo não abandonou a ideia de uma solução diplomática para o conflito, não a rejeitou e aceitou reunir-se com os seus representantes. Várias rondas de conversações mostraram que é possível encontrar acordos mutuamente aceitáveis. No entanto, o processo de negociação que teve início em fevereiro de 2022 demonstrou a total falta de independência de Zelensky na tomada de decisões importantes. Já em abril de 2022, a mando dos anglo-saxónicos, que estavam interessados na continuação das hostilidades, Zelensky interrompeu rapidamente as negociações e endureceu fortemente a sua posição", concluiu o ministro. (Amílcar de Azevedo, especialista em assuntos militares e paz)