Chico António: A prova de que a morte é o requisito para o reconhecimento do artista

Os restos mortais de Chico António, uma referência na música tradicional moçambicana, foram a enterrar hoje, terça-feira, 16 de Janeiro,e, justamente hoje, ganhou reconhecimento público do Chefe do Estado, Filipe Nyusi, através de uma mensagem publicada na sua conta oficial da rede social  instagram na qual apelida a lenda de “património cultural”.

Chico António: A prova de que a morte é o requisito para o reconhecimento do artista

“Lutador assumido da nossa pátria, nosso património cultural, siga seguro que a geração de amanhã que sonhaste promover, vai se vingar da sua viagem prematura”, lê-se na conta do Chefe do Estado. 

 

A homenagem que o Chefe do Estado faz à lenda, mostra claramente que a “morte” é a condição sin qua non para o reconhecimento dos fazedores da arte em Moçambique, e esta classe deve se conformar com a homenagem a título póstumo como única forma de serem reconhecidos, porque de outra forma não existe. 

 

Antes do PR, também a ministra da Cultura, Eldevina Materula, lamentou a morte do músico, lembrando que deixou “marcas e espólio” que merecerá a atenção das futuras gerações, e isso provavelmente o Chico António Morreu sem saber porque ninguém ousou transmiti-lo em vida, e uma vez, aí o Governo perdeu a oportunidade de homenagear os bons em vida. 

 

“Estamos em choque porque ainda acreditávamos que Chico tinha muito para contribuir com a sua arte para enriquecer a cultura moçambicana”, lê-se na mensagem da governante. 

 

O antigo Presidente Armando Guebuza também lembrou a importância de Chico António na “construção da identidade” do país, numa publicação na sua conta oficial do Facebook, no entanto, durante 10 anos, enquanto chefe do Governo, poucas foram acções em prol do reconhecimento dos artistas que contribuíram para o enriquecimento do mosaico cultural nacional. 

 

“A tua música também fortaleceu a nossa identidade e o nosso orgulho de sermos moçambicanos. Viverás eternamente na nossa memória. Descansa em paz, amigo Chico”, referiu Armando Guebuza. 

 

A Torre, em contacto com vários artistas, compreendeu que após a morte, no mundo artístico, criam-se lendas, alguns artistas com obras incompreendidas em vida, passam a ser revisitados e admirados da forma que seria ideal em vida ou na sua era produtiva. 

 

Alguns artistas lendários nacionais, viveram parte da sua vida de forma anônima ou até reconhecida sob críticas no meio em que se dedicam a criar. O músico Azagaia é um dos principais exemplos quando se fala em sucesso póstumo, o artista nos últimos anos da sua vida estava voltado ao esquecimento, mas hoje em dia a sua música constitui força motriz dos movimentos políticos contestatários. 

 

No mundo da literatura, pintura, desporto, vários artistas são ignorados em vida, esperando-se o dia da sua morte para serem ovacionados por quem de direito, que esquece que, a luta dos artistas pelo reconhecimento não é apenas em busca do retorno financeiro, mas sim para que seja atribuído valor a sua arte, técnicas e talento investidos.

 

Nascido em 1958, no distrito de Magude (Maputo), Chico António destacou-se, sobretudo, na composição musical baseada em ritmos tradicionais moçambicanos, tendo feito parte de duas emblemáticas bandas da música moçambicana, Grupo RM e Orquestra Marrabenta. 

 

Um dos seus temas mais icónicos (Baila Maria, com a cantora moçambicana Mingas) mereceu o prémio Descobertas da Radio France Internacional, uma distinção que lhe valeu uma bolsa de estudos na capital francesa.

 

TORRE